terça-feira, 17 de junho de 2014

Entrevista com o tradutor de "Jogos da Fome" em Portugal: Jaime Araújo


A nossa equipa de fãs andou à procura de uma entrevista um tradutor muito especial dos jogos da fome e encontrámos no site oficial da nossa saga favorita. 
Leiam abaixo.


PP: Foi o senhor que se ofereceu para traduzir a trilogia, ou foi a editora que o escolheu?
JA: Foi a editora que me propôs a tradução.

PP: Jogos da Fome é o tipo de livro que o cativa?
JA: Se tivesse sido publicado durante a minha juventude, seria certamente o tipo de livro que eu devoraria. Hoje, com 47 anos, tenho outros interesses, mas foi com prazer que traduzi a trilogia: está muito bem escrita e tem personagens ricas e interessantes.

PP: Já sugeriu estes livros a conhecidos seus?
JA: Já, e pelos uma amiga tornou-se fã…

PP. Foi o senhor que escolheu a tradução dos títulos da série, ou foi uma decisão previamente feita pela editora?
JA: A editora escolheu os títulos depois de os discutir comigo.

PP: Considerou a tradução complicada? Qual foi o seu processo para encontrar tradução para novos conceitos como “trackerjackers” (vespas-batedoras), “mockingjay” (mimo-gaio), etc?
JA: A parte mais complicada foi precisamente arranjar versões portuguesas para os novos conceitos da autora. Procurei sempre soluções que fossem fiéis ao significado e ao espírito da palavra inglesa, mas também que “soassem bem” em português (o que às vezes é muito difícil). Por exemplo, “tracker” pode ser traduzido para “batedor” e “jacker” para vespa, e daí a vespa-batedora (não consegui encontrar uma palavra que soasse melhor). A tradução de ”mockingjay” foi mais fácil. Como o “mockingjay” é um cruzamento entre o “mocking-bird” (mimo) e o ”jay” (gaio), ficou mimo-gaio.

PP: Pediu “uma mãozinha” a algum amigo, familiar ou colega para traduzir algum termo específico?
JA: Peço sempre ajuda e a opinião de amigos para a tradução dos termos mais complicados.

PP: Qual dos três livros considerou o seu preferido?
JA: Não tenho um preferido. Lembro-me deles como um todo.

PP: Ficou entusiasmado por ver a adaptação dos livros ao cinema? O que acha da escolha dos actores?
JA: Como convivi durante tanto tempo com as personagens, estive ansioso por ver o filme. Os actores parecem-me bem escolhidos, alguns correspondendo mesmo à imagem que tinha criado das personagens.

PP: Considera que “Jogos da Fome” tem capacidade para se tornar numa série de culto, à imagem de outras como Harry Potter?
JA: Acho que tem todas as condições para isso.

PP: Acha que Katniss tem o potencial para ser uma grande heroína? A sua mudança e crescimento ao longo da trilogia surpreenderam-no?
JA: É uma grande heroína, e muito humana. A autora construiu muito bem a personagem e quando chegamos ao fim da trilogia lembramo-nos de Katniss como de uma pessoa verdadeira…

PP: Derradeira pergunta: Equipa Peeta ou Equipa Gale? :)
JA: Por muito sedutor que seja o mundo de Gale, tinha de escolher a “Equipa Peeta”, não por ele ser “bonzinho” mas por ser uma pessoa pacífica, ponderada, capaz de resolver os conflitos através das palavras e não da violência…



(Oficial Site HG Portugal)