sábado, 12 de julho de 2014

Donald Sutherland fala sobre o seu papel e sobre Jennifer Lawrence

Donald Sutherland, mais conhecido como presidente Snow, deu uma entrevista para o site Screen Rant, na qual falou sobre seu personagem, Jennifer Lawrence e outras coisas. Confira tudo a baixo:


Alguém perguntou o que acha do presidente Snow e o senhor disse que o ama. Essa é a chave para interpretar um vilão? Tem que se abraçar a personagem completamente para entendê-lo?

DS: Eu nunca penso em alguém como um vilão. Eu penso nele como um tirano. Quando eu escrevi a carta para o Gary (Ross) pedindo para interpretar esse personagem eu citei nomes como Lenin e Stalin. (…) Essas são pessoas que conseguiram alcançar um poder extraordinário usando a força e a manipulação. Nós fazemos isso nos Estados Unidos também. Uma pessoa tão boa quanto Barack Obama joga bombas em Paquistão e tu tens efeitos colaterais. Uma criança morta nos teus braços e isso é somente um efeito colateral? Tenho certeza que não é para as pessoas que estão no chão.
A boca dele sangra. Ele usa uma rosa porque sua boca tem cheiro de sangue e isso é porque ele é ambicioso. 40 anos atrás, ele envenenou todos os seu competidores ao cargo. Para ele não ser acusado de ser a pessoa que envenenou os outros, ele envenenou se a si mesmo. Não o suficiente para se matar, mas o suficiente para que isso esteja na suas veias sanguínea, dessa forma ele é um sobrevivente. Ele foi capaz de controlar o país quando parte do mesmo se “quebrou”. E ele usa uma mão de ferro. Ele executa pessoas como uma forma de controlar a população. Mas ele o faz tão bem. E ele não pensa que é uma pessoa ruim. Ele acha que essa é a única maneira que a sociedade pode sobreviver. E quer você ache que ele esta certo ou errado, ele não acha que é malvado. Ele gosta de si mesmo.


Tens essas ótimas cenas onde é muito agradável com a Jennifer Lawrence em um sentido, então nós vemos cenas do Snow com a sua neta. Isso faz dele mais parecido com um ser humano, mesmo ele sendo um ser humano que saiu totalmente fora dos trilhos?

DS: Claro que ele é, dentro de um certo contexto. Absolutamente, ele é. E ele deve ser um companheiro agradável desde que… você sabe. Quando ele falou com o Seneca Crane na cena do jardim de rosas que Gary escreveu para o primeiro filme, ele foi capaz de escrever uma cena na qual Snow estava tão articulado com o Crane porque ele estava preparando Crane para ser seu sucessor e Crane estragou sua chance. Ele era sentimental. Ele tomou as decisões erradas. Você não pode tomar decisões erradas porque elas vão custar sua vida. Para Snow, Katniss Everdeen é perfeita. Ela é tudo que ele deseja em um sucessor. E talvez ele terá sucesso em transforma-la, porque ela não quer ser a heroína da revolução. Outras pessoas estão a fazer isso com ela. Ele está a fazer algo diferente do seu lado, está a usar as coisas que ele conhece, que são ameaças e manipulações. Mas mesmo assim, é um jogo de xadrez que não vai chegar a um empate. O rei de alguém irá tombar.

O que é que o senhor vê nos atores e diretores mais jovens com quem está a trabalhar hoje em dia que é uma característica em comum ou algo diferente das pessoas com quem já trabalhou?

DS: Eu não vejo muito, na verdade. Mas Jennifer, ela é um génio. Ela é um sistema de entrega para a verdade. Ela canaliza o personagem e pode ver o quão inocente ela realmente é, e como ela pega uma informação e a absorve. Ela não manipula isso. Ela não calcula isso. Ela não projeta isso. Simplesmente acontece. Quero dizer, é deliberado, é verdadeiro e é reconhecido como tal. Essa é a razão que todos dizem “Oh ual”, porque ela está entregando a verdade. Ela disse hoje,”fazer um filme é melhor que sair de férias,” e então ela adicionou só para ser engraçado, “enquanto a restauração é boa.” Ela tem esse tipo de inteligência.
(…) A minha admiração por ela é desvinculada, tenho que ser sincero. Estou no seu encalço. Eu adoro-a. Olhar para ela, ameaçar sua vida e assistir ao seu olhar é delicioso.


(adaptado)